TODO DIA ...É 1 TEXTO NOVO!!!

30 de jun de 2011

sofrendo!!

Época de sofrer por amor e ainda que irremediavelmente feito de aço como o Clark, ainda assim é a sina de apaixonado,querer simplesmente ser amado como o elefante ama o seu marfim.

Esperar e desesperar por sinal de amor,um gesto que aclame esta dor,só um louco vive assim,
Com este vazio que trago bem maior que os buracos da camada de ozonio ou o começo do fim...

Sou apaixonado, louco e insensato pois o racional não espera , o insensível não chora,emfim
Que se faz ,um rap?? Se o meu maior e mais cruel pesadelo mora bem interno dentro de mim?

O apaixonado é burro não sabe ver as letras do própio blog que escreve todo dia , come capim...
Só ouve o que o coração diz,não se preocupa em aprender, só quer que viver não seja tão ruim!

29 de jun de 2011

lendas!!





WU-TANG CLAN

O Wu-Tang Clan é um grupo de rap norte americano, formado por 9 integrantes (The Rza, Gza, Method Man, Inspectah Deck, Raekwon, GhostFace Killah, U-God, Masta Killa e o falecido Ol’ Dirty Bastard).

O nome Wu-Tang Clan vem de um filme de artes marciais de Hong Kong 1981 “Shaolin and Wun Tang”(original: Shao Lin yu Wu Dang).

O Clan surgiu em 1992 com Ol’ Dirty Bastard, RZA e GZA. Mais tarde outros 6 membros foram adicionados mudando a cara do rap, virou referência, virou uma febre, quase uma religião, com seguidores por todo mundo.

Ninguém faz rap como o wu tang clan.O grupo, formado por ex-traficantes da região de Staten Island (NY), criou uma filosofia de vida baseada nas peças de xadrez e em filmes vagabundos de kung fu. A trupe foi responsável por um dos grandes discos de RAP dos anos 90:ENTER THE WU TANG(36 CHAMBERS).

O álbum redefiniu a cara do hip-hop da década passada, com seus relatos cruéis sobre a malandragem e os batidões mais turvos da história do estilo. È tão bom que acabou criando um problema sério: dificilmente o grupo terá bala para superar essa obra-prima.

Houve alguns estampidos de respeito como os trabalhos-solo de METHODMAN , a parceria de genius e RZA (liquid swords) e as patetices de OI’ Dirty Bastard (Return To The 36 Chambers e Nigga, Please!).

Mas, no geral, as rimas do Wu-tang tiveram a potência de um projétil de festim. Felizmente, os pipocos de W provocam mais do que cócegas. Os pancadões sombrios (adotados anos atrás pelo RAP PAULISTA e conhecidos como “bate-cabeça”) estão ali ,só que ganharam uma preocupação maior com a melodia, tem samples de reggae ,soul e blues de boa cepa.

RZA,GZA, Methodman Man, U-God, Raeknow, Ghostface Killah, Insecxtah Deck e Cappadona atiram basicamente em três alvos: crônicas da bandidagem, lamentos das quebradas e participações especiais.

O segundo alvo fica a cargo de Ghosthface Killah, que reclama da má situação do gueto em “Hollow Bonés” e “I Can’t Go To Sleep”. Por fim, a ausência do confinado OI’Dirty Bastard é compensada por colegas (Snoop Doggy dogg, Bust Rhymes e Nas) e pela lenda viva Isaac Hayes, que transforma seu hit “Walk On by” em “I Can’t Go To Sleep”.

O resultado é do kct, apesar da falta que o presidiário faz. Basta conferir “Conditioner”, a única música em que ele conseguiu colocar voz, e a pífia regravação de “Protect Ya Neck”, para perceber que as coisas nunca mais serão as mesmas.

FAMÍLIA WU-TANG CLAN


RAEKWON THE CHEF
Nome Verdadeiro: Corey Woods

Biografia:

Raekwon é um membro muito popular e muito conhcecido dentro da cena HipHop Americana e mundial. Ele faz excelentes musicas(Desde a época do primeiro CD) e em caráter particular, sempre encantou fans dos quatro cantos do Planeta.

E como todos os membros do Grupo, ele criou um estilo pessoal, mas que é ainda mais carácteristico que aquele dos outros membros. Raekwon fez um CD Solo que saiu em 1995 e se chamava Only built 4 cuban Linx e contava com a participação de quase todos os membros do Wu Tang, além é claro da participação de Cappadonna, 60 Seconds, Blue Rasberry.

E foi ele que criou dentro do Grupo uma coisa chamada Wu - Gambinos, ou seja Apelidos que cada membro criava e também muitas músicas falavam que assuntos do tipo Máfioso.

Já Trabalhou ao lado de:

Allure, Nas, Mobb Deep, Sunz Of Man, La The Darkman, Funkmaster Flex, Cocoa Brovaz, Jodeci, Fat Joe, Big Punisher, AZ, Shyheim, Mr. Mike Nitty, Craig Mack.
THE GZA

Gary Grice, mais conhecido como GZA ou The Genius, (Brooklyn, Nova York, 22 de Agosto de 1966),nacido em Brooklyn, GZA passou sua infância vivendo com vários parentes em diferentes bairros de Nova York. Durante este tempo ele começou a visitar o Soundview no Bronx , onde ele ficou fascinado por hip-hop. Sob inflluencia disto o MC começou a escrever suas rimas próprias. . Ele também compartilhava um interesse em hip-hop com seus primos Robert Diggs e Jones Russell. Os três juntos formaram o grupo "All in Together Now", com GZA O Genius sob o pseudônimo, Diggs e Jones atuou como o cientista e o professor, respectivamente. Depois de ganhar notoriedade no underground, GZA e Diggs foram liberados por conta própria.
GZA assinou com o lendário selo de hip-hop Cold Chillin ' . Em 1990 ele lançou seu primeiro álbum GZA " Words From The Genius ".


THE RZA

Robert Diggs, mais conhecido como RZA, (Brownsville, Brooklyn, Nova York, 5 de Julho de 1969), é um rapper, produtor e ator americano, é integrante e líder do grupo Wu-Tang Clan. Ele produziu maior parte dos álbuns do Wu-Tang. Mais tarde RZA ganhou mais atenção por fazer elenco de filmes. RZA fez o clássico álbum Bobby Digital. e o Built 4 Cuban Linx II. Ele também confirmou que co-produziu uma faixa do álbum Detox, de Dr. Dre .


RZA começou a carreira no hip hop nos fins dos anos 80 e nos inícios dos anos 90 como membro do trio Force of the Imperial Master, mais tarde o grupo foi designado de All in Together Now Crew que era constítuido pelos futuros membros do Wu-Tang Clan, com GZA e Ol' Dirty Bastard.

GHOSTFACE KILLAH

Nome Verdadeiro: Dennis Coles

Biografia:

Ghostface foi umas das primeiras vozes que se escutava no CD Wu Tang(36 Chambers); Ele nasceu no Stapleton Projects e cresceu no Staten Island, Nova Yorque, aonde começou a fazer parte do Grupo Wu Tang Clan. Ele usava uma máscara para não ser reconhecido pelos policiais. Em 1996, Ghostface fez o seu primeiro Cd solo chamado "Ironman", Homem de ferro. Muitas músicas contavam com a colaboração do outro Membro do Wu Tang, Raekwon e Cappadonna e também a participação especial de Mary J. Blige, que um ano antes tinha participado na música do Method Man "I'll be there for you". Ghostface ganhou muita popularidade com a música 'All That I Got Is You' , uma das músicas mais conhecidas do cantor.

Já trabalhou ao lado de:

Mary J. Blige, Delphonics, Jodeci, Babyface, The force MD's, Andre Rison, Mobb Deep.

Curiosidades

Em muitas fotos, Ghostface aparece com uma máscara. Muitos dizem que é um modo para não ter problemas com os policiais.

Ghostface Killah sofre de diabete, por causa do peso. Ele recebe tratamentos com médicos chineses.

No 4° video dele "'All That I Got Is You" seu filho interpreta ele mesmo quando era criança.



METHOD MAN

Data de nascimento: 1/4/1971
Nome Verdadeiro: Clifford Smith

Como se chamava antes: Hott Nikkels, Iron Lung, MZA, MethTical, Ticallion Stallion, Shakwon.

Method Man nasceu em Hempsted no Long Island, até que ele se mudou para Staten Island. Ele era um grande Wrestler e ótimo jogador de Lacrosse e sonhava em ser uma estrela do Futebol Americano. Method Man "explodiu(como cantor é claro) em 1992 como cantor do Grupo Wu Tang Clan. Depois do sucesso do 1° CD do Grupo"Wu Tang(36 Chambers), Meth faz o seu primeiro CD Solo em 1994, chamado Tical e produzido pelo parceiro de Grupo RZA. O CD se transformou rapidamente em um sucesso e em 1995 com a música "I'll be there for you", com a participação da cantora Mary J. Blige alcançou a posição de número 3 nas paradas e ganhou um Grammy.

No mesmo ano, com a música "How High", com a participação do Rapper Redman, ficou por várias semanas entre as 20 músicas mais pedidas nas paradas. Depois, o cantor fez um outro CD chamado Tical 2000: Judgement Day. Esse Cd vendeu mais de 400.000 cópias na sua primeira semana da sua venda.



OL' DIRTY BASTARD(in memorian)

Nome Verdadeiro: Russell Jones


Biografia: Sem dúvida, ODB era um dos membros mais polemicos do Wu Tang Clan, principalmente porque ele é brutalmente Honesto sobre qualquer coisa e qualquer pessoa.

OBD já fez muitas músicas e várias muito estranhas, uma revolução no mundo do HipHop, além é claro que esse Rapper trouxe a energia certa para que o grupo continuasse fazendo muito sucesso. ODB fez um CD solo chamado Return to the 36 Chambers: The Dirty Version. O CD conta com a participação de vários artistas como George Clinton, Mobb Deep, Wycleaf Jean, além é claro dos membros do WTClan.

Em 1998, ODB foi um dos destaques do Grammy.

Já trabalhou ao lado de :

En Vouge, Omar, George Cliton, Mobb Deep, Wycleaf Jean, Pras, Mya, Sunz of man, SWV, Big Daddy, Funkmaster Flash, Q-Tip.

Curiosidades:

ODB ficou muito famoso principalmente pelo seu jeito de fazer música, ou seja em modo abstracto, ajudando cantores como Mariah Carey, Envouge, Blackstreet, entre outros...
ODB é primo de The RZA e The GZA.
Dizem que ODB já teve problemas com o FBI e para não ser descoberto, mudou o seu apelido para OSIRUS, Deus do sol(Teoria do Antigo Egito).


MASTA KILLA

Nome Verdadeiro: Jamal Turner

Biografia:

Masta Killa é um dos membros mais misteriosos do Grupo Wu Tang Clan. Não gosta de ser entrevistado e quando está junto com o grupo, fala raramente. Para falar a verdade, sabemos muito pouco sobre este rapper, que porém hoje graças ao seu caráter misterioso, é um dos membros mais conhecidos do grupo.

Já trablahou ao lado de:

Bounty Killer, Public Enemy

Curiosidades:

Masta Killa é com certeza um Rapper não muito tranquilo. Ficou muito conhecido por ter batido em um jornalista, depois que viram as fotos e o artigo que aparecia no Jornal.



INSPECTAH DECK

Nome Verdadeiro: Jason Hunter

Biografia:

Inspectah é um dos melhores cantores do grupo e ele participou de muitos CDs do grupo, mas por enquanto ainda não fez um Cd solo. Mas apesar de ainda não ter feito um CD, ele já fez muitas participações por exemplo na música 'Let Me At Them', mas sempre dentro do ambiente Wu Tang. Ele fez algumas músicas de própria autoria como Visionz - Wu Tang Forever e Let me at Them

Ele trabalhou ao lado de:

Big Punisher, Gang Starr, Noreaga, 2Pac.

Curiosidades:

Quando os membros do Wu Tang Clan, Inspectah Deck, Method Man e U God entraram na Chat da Sonicnet, eles estavam de frente a 1.200 pessoas e todas elas vieram falar com os três, mas esse número é realmente incalculável para três pessoas. A Chat era tão "febril" que o Servidor da Sonicnet faliu.


U GOD

Nome Verdadeiro: Lamonte Hawkins

Biografia:

Assim como o outro cantor Masta Killa, U God é um dos membros mais misteriosos do Grupo, se bem que o seu mistério é diferente daquele do cantor Masta. Como membro, U God esteve sempre presente em todos os CDS feitos pelo grupo Wu Tang Clan. Fora do grupo, U God já participou de músicas do Cypress Hill, SWV e Sunz of man.Tem uma música feita por ele mesmo e se chama "Black Shampoo".


Já Trabalhou ao lado de:

Cypress Hill, SWV, Sunz Of Man.

28 de jun de 2011

filmes e crimes!

ASSISTI AO FILME "NO RASTRO DA BALA" E ACHEI O FILME BEM FEITO!!
NO RASTRO DA BALA (NO RASTRO DA BALA)
Atores: Paul Walker, Vera Farmiga, Johnny Messner, Cameron Bright, Ivana Milicevic...

Diretor: Wayne Kramer

Não defendo em hipótese alguma filmes violentos, mas tenho que levar em consideração a montagem e atuações do filme, além de que,o nosso mundo não é nenhum "mar de rosas", a violência está escancarada nas ruas, nos sites, nos jornais, nas reportagens televisivas e em todos os meios de comunicação possíveis...
NO RASTRO DA BALA (NO RASTRO DA BALA)


É difícil fechar os olhos para estes acontecimentos e o longa-metragem, "No Rastro da Bala" que, tenta retratar o real em forma de filme, assimila-se aos filmes documentais de uma forma bem realista, o que vem acontecendo nos filmes da atualidade no Brasil..

O filme "Cidade de Deus" é extremamente violento...

O longa-metragem "Scarface" de 1983, com o irreverente Al Pacino,é um filme extremamente realista em quesitos de violência...

Quem retrata muito bem a violencia e o crime é o grande grupo de rap de NY, Wu Tang Clan...

Confira nesta letra magnífica...

"Eu cresci no lado do crime,no lado do New York Times
Continuo vivo sem desconversar
Em poucos segundos, as mães vão pra cama dos velhacos
Então a gente foi pra terra Shaolin...

Uma nova juventude, e você exibindo seu dente de ouro, otário
Só tinha um jeito, eu comecei ganhar nosso dinheiro sujo nas drogas...

Então vamos começar essa fita tipo esses cafetões, no rolê com eles
Os caras, disparando a pistola por diversão...

Mas isso era apenas um sonho adolescente, eu era um demonio
Comecei a fumar com 16
E correndo por cima dos muros, fazendo de tudo em altas apostas
Fazendo minha conduta pelas vielas de fogo...

Sem dúvidas que eu me matava, por crack e maconha
A combinação fazia meus olhos sangrarem
Não há dúvidas que eu mudei, e tentei ganhar confiança com todos
Roubando boyzinhos branquelos nas quadras de esporte...

Minha vida não era boa, alguma porra de maldição pregada na roupa
A cara era zuar até cansar...

Se ligo que eu tava no caminho errado
Então eu colei com um c... enjoado e foi o maximo
Colhendo respostas através dos mares...

No rolê com os MVP's*, toda semana faziamos 40 mil
Seu respeito é meu, mano, ou vai odiar a Tech 9*
Ch-chick POW! Sai de cima do muro agora...


Dinheiro, Controla, Tudo, A Minha, Volta

Arruma dinheiro
Fazendo seu corre nas ruas"

27 de jun de 2011

sal e luz

Caros amigos,
Venho por meio deste e-mail divulgar o trabalho maravilhoso que
é realizado na Audioteca Sal e Luz e corre o risco de acabar.
A Audioteca Sal e Luz é uma instituição filantrópica, sem fins lucrativos,que produz e empresta livros falados (audiolivros).

Mas o que seria isto?
São livros que alcançam cegos e deficientes visuais, (inclusive os
com dificuldade de visão pela idade avançada) de forma totalmente
gratuita.

Seu acervo conta com mais de 2.700 títulos que vão desde
literatura em geral, passando por textos religiosos até textos e provas corrigidas voltadas para concursos públicos em geral. São emprestados sob a forma de fita K7, CD ou MP3.

E agora, você está se perguntando: O que eu tenho a ver com isso?
É simples. Nos ajude divulgando. Se você conhece algum cego ou
deficiente visual, fale do nosso trabalho. DIVULGUE!

Para ter acesso ao nosso acervo, basta se associar na nossa sede,
que fica situada à Rua Primeiro de Março, 125- Centro. RJ.
Não precisa ser morador do Rio de Janeiro.

A outra opção, foi uma alternativa que se criou face a dificuldade
de locomoção dos deficientes na nossa cidade. Eles podem solicitar o livro pelo telefone, escolhendo o título pelo site, e enviaremos gratuitamente pelos Correios.

A nossa maior preocupação reside no fato que, apesar do governo
estar ajudando imensamente, é preciso apresentar resultados. Precisamos atingir um número significativo de associados, que realmente contemplem o trabalho, se não ele irá se extinguir e os deficientes não poderão desfrutar da magia da leitura. Só quem tem o prazer na leitura, sabe dizer que é impossível imaginar o mundo sem os livros...

Ajudem-nos, Divulguem!
Atenciosamente,slow!!!

Christiane Blume - Audioteca Sal e Luz
Rua Primeiro de Março, 125- 7. Andar
Centro- RJ. CEP 20010-000
Fone: (21) 2233-8007 (21) 2233-8007

Horário de atendimento: 08 às 16 horas
http://audioteca.org.br/noticias.htm

INSISTINDO: eles não precisam de dinheiro, mas de DIVULGAÇÃO!!!

26 de jun de 2011

ANDRÉ ZOVÃO!!!

Da Zona Norte à Cuba! Entrevista com André Zovão
André Zovão, vocalista da banda de rapcore Antizona, e grande amigo do Enraizados, fala com exclusividade ao nosso Portal, sobre música, sobre a banda e sobre as viagens à Cuba, onde a banda participou do Festival Rotilla em 2010, e do prêmio Puños Arriba, em 2011. Confira a entrevista:

Como foi seu envolvimento com a música?
Então, quando tinha uns 8 pra 9 anos, morava em Vaz lobo e tive a sorte de ter um DJ como vizinho… DJ Alex… que todas as tardes botava as caixas na janela dele e obrigava praticamente toda vizinhança a ouvir as mixagens dos funks olds; com o tempo comecei a dançar e a dança que mais me chamava atenção e que acabei praticando um bom tempo foi o break, influenciado pelo Michael Jackson na época. No programa dos trapalhões dancei menorzinho, num quadro da época que eles usavam uns casacos florescentes, ainda vou conseguir esse arquivo.


Quais são suas influências?
Os funks do final da década de 80 e início de 90 como: Buffy, College, Connie, Gigolo Tony, Gucci Grew, Hassan, Lay Zon, Shana, Trinere, Freestyle etc. Minha coroa me apresentou Barry White, Bezerra da Silva, Alcione, Tim Maia, muito Tim Maia…
Aprendo muito com: Beatles, Sabotage, Bob Marley, Gabriel o Pensador, Black Rio, Black Alien, Augustos Pablo, Racionais, Chico Buarque, A Tribe Called Quest, Felá Kuti, Pixinguinha, Sepultura, Cartola, Estelle, Nação Zumbi, Prodigy, De Fala, Câmbio Negro, Faces do Subúrbio, Planet Hemp, Pavilhão 9, Serial Killer HC, Esquadrão Zona Norte, RATM. Vish, se deixar, vou até amanhã aqui (risos)…

Como aconteceu sua integração ao Antizona?
Com 15 anos, morando no Lins, conheci a nata da vagabundagem do Méier, a galera do skate, tatoo, som, etc. Tudo era novidade, até que conheci um louco chamado Taz (ex-baixista do AZ), me convidou pra fazer uma participação no show da banda dele que ia rolar no extinto Garage, na Rua Ceará e tal, só que até então, eu nunca havia subido no palco na vida e a primeira vez que subi foi pra cantar “Killing in The Name” do Rage Against The Machine, no Garage e a banda era o ANTIZONA. Depois da participação os caras me convidaram na hora pra ser vocal da banda e assim comecei.

André, juntamente com o Antizona, você participou de muitos festivais, e abriu um show do Planet Hemp. Nesses momentos, se sentiu com uma grande responsabilidade?
Aumenta um pouco a adrenalina, claro, mas isso é bom, pois te motiva a se superar. O AZ sempre foi e sempre será, uma grande responsabilidade, independente do show, gravina etc. Procuramos trabalhar sempre com muito foco e amor.

O Antizona passou a circular em espaços de movimento social, pra você, como foi essa experiência, de alcançar outro público?
Bom, quanto mais público nos ouvindo, melhor, então, com certeza foi muito favorável pra nós… Tocamos em eventos importantes como o 11° aniversário do Estatuto da Criança e do Adolescente e eventos do MST, nos arcos da Lapa; Nossas letras na época eram muito mais radicais e por isso muitos ativistas se identificavam… Nosso DJ, Fabio ACM, já trabalha com projetos sociais há muitos anos e não tinha como ficarmos de fora dessa, foi quando rolou a gravação do disco do projeto “Hip Hop pelo Fim da Violência Contra as Mulheres”, o AZ contou com a participação de vários MCs ( DMA, Léo da XIII, Slow, Airá, Poetas de Ébano, MR Bocca, Eddy MC, WF, eu, Cacau Amaral e Opanijé). O AZ assina a produção musical desse disco que não tem finalidade comercial e sim educacional.

Nessa caminhada do Antizona, foram lançadas muitas Demos, mas como foi gravar o 1° disco oficial?
Depois de 6 demos, gravar o primeiro disco deu uma sensação de alívio, foi muito satisfatório ouvir nosso som bem gravado, mixado, masterizado e prensado. Você passa a existir de verdade quando lança um disco à vera.

Você visitou Cuba duas vezes, Foram muitas realizações, em 2010, o Antizona tocou no Rotilla, gravou videoclipe; em 2011, foram convidados pra premiação de Hip-Hop Puños Arriba, como foi essa experiência?

Foi incrível ver como o Hip Hop é forte em Cuba, em 2010, quando tocamos no festival Rottila, ficamos de cara quando vimos praticamente 10 mil pessoas cantando todos os raps dos Los Aldeanos (principal grupo de rap cubano). Esse ano o Puños Arriba nos apresentou um leque de talentos no rap cubano, como o grafiteiro Lazaro, que só pinta com spray, quando recebe doações de grafiteiros de outros países, pois em Cuba não existe spray, então ele pinta com pincel, rolo e as artes dele são de altíssima qualidade. No Rap, Doble Filo (ganhou 5 prêmios), Kausa Justa, Esquadron Patriota, a grande premiada da noite, Danay Suarez, El Discípulo, Carlito Mucha Rima e o maior produtor e MC cubano, Papa Humbertico. A banda que juntamente com os DJs, fizeram vários arranjos na linha do The Roots para os MCs rimarem. Outra coisa que nos chamou atenção na premiação foi a categoria: “Melhor Introdução”, e toda organização do evento, o Matraka Produções, que foi impecável na organização.


Confira o videoclipe da canção “Siga Seus Passos”, gravado em Havana, Cuba:

IFRAME Embed for Youtube


Ainda em Cuba, o Antizona, juntamente com Slow da BF, Papá Humbertico, El Discípulo e Carlito Mucha Rima, gravou a canção “Ponha a Mão Pra Cima“, como foi essa experiência, de fazer um som com MCs cantando em outro idioma?
Slow é um grande MC, irmão, aliado nosso e merece todo respeito, esse som não foi o primeiro, nem será o último que gravaremos com as rimas dele, se Jah quiser. Nós assistimos o ensaio da premiação um dia antes no teatro América em Havana e assim que encerrou o ensaio dos caras, Passamos no posto, compramos umas Bucaneros (cerveja) e partimos pro home estúdio Real 70, do Papa Humbertico em Havana. Chegando lá, ele mostrou uns 10 beats diferentes, escolhemos o do DJ Maro King, de Barcelona e começamos a ouvir, ouvir.. até que tive uma idéia pro refrão, mostrei, aprovaram, aí o El Discípulo já concluiu o refrão comigo e cada um escreveu sua estrofe na hora, “como manda o figurino” (risos). A gravação começou umas 2:30 e terminou 8 da matina. Na saída, pra chegar até a estrada pra conseguir condução, tivemos que andar uns 3 KM, geral viradão, mas valeu a pena, Os Caras são muito criativos.

Quais são as ideias e os projetos pra 2011?
No momento estamos ensaiando com o novo baterista Wagner Nascimento e estamos aproveitando para rearranjar algumas músicas, preparando um show mais compacto; pré- produzindo nosso próximo disco, estamos compondo, fazendo shows, divulgando o som “Ponha a Mão Pra Cima”, de todas as maneiras virtuais possíveis, o som “Buscando” e “Tatoo” que conta com a participação do Fábio Broa (RZN), já estão disponíveis pra download na internet e estarão no nosso próximo disco que deve ser lançado no início de 2012 com muitas novidades e participações. Tudo que rolou em Cuba esse ano foi filmado e fotografado, em breve vai rolar um documentário pra vocês.


Zovão, valeu pela entrevista, gostaria que deixasse uma mensagem para os leitores do Portal Enraizados…
Rapeize do Enraizados, antes de mais nada gostaria de parabenizar todos vocês pelo trabalho educacional e cultural que vocês realizam aí no Enraizados. É uma honra poder oferecer um pouco da nossa história e da experiência vivida em Cuba. Gostaria também de agradecer aos meus irmãos do AZ que tão fechados comigo sempre: DJ e Percursionista Fabio ACM, guitarrista Fabinho Teixeira, baixista Renato Horácio, baterista Wagner Nascimento, ao coletivo onde o AZ surgiu, que é a ZN Máfia e a todos que tiveram paciência pra ler a entrevista, muito obrigado e quem quiser saber mais sobre o Antizona é só ir em www.bandaantizona.com ou www.reverbnation.com/antizona Que o enraizados seja eterno!

O Antizona será uma das atrações da 3ª edição do Mixtureba Enraizados, que acontecerá dia 27, no Espaço Cultural Sérgio Porto, que fica na Rua Humaitá, 163 – Humaitá Rio de Janeiro – RJ.

Faça contato com o Antizona. Contato para shows: contato.antizona@gmail.com ou 9103-3570 (Fábio ACM).

25 de jun de 2011

2 anos sem MJ...



uivos secretos de um lobo com artrose

Esse eu escrevi tem um ano exato e quase fui expulso do mundo por isso...

Me xingaram , me amaldiçoram em 300 linguas e lançaram desafetos pra minha 30 geração futura e passada...



Poucos entenderam e me deram crédito...


Estou aí de novo preparado para as pedradas ou não...

Será que algo mudou na cabeça das pessoas que olharam para esse post em um ano ??




"Seria miragem , no calor escaldante da saída da comunidade mega hiper giga povoada da rocinha após 4 horas de aulas de rap , ou vejo um lobo?



Realmente eu ví um lobo andando sorrateiramente entre os camêlos distraídos e pensativos?

Não sei se o café amargo que tomei me fez ver coisas demais , além das que vejo normalmente , mas o caso é que consigo ver mesmo esse lobo esquisito andando com seu All Star azul desbotado e com um cigarro de palha na boca, e olha que eu nem estou em São João de Mentirinha...


Tento esfregar os olhos e minhas mãos que acabam esfregadas e a imagem nítida continua a serpentear e eu começo a discutir a sanidade mental dessa placa mãe , que tem que fazer mamadeira todo dia ...

Nunca discuta a minha ...To falando da sanidade não das mamães...



Queria saber se só eu consigo ver esse lobo e pergunto mentalmente para a madame chic igualzinha ao metamorfo Michael Jackson , do meu lado direito e ela responde , com um grito bestial:


-Será que não podes ver que estou ocupada ligando para o presidente Obama ??
Pra ele refazer o meu muro de adamantium que ruiu ???

Eu tento disfarçar e me viro para o lado oposto e digo :

-Senhor , por um acaso o senhor consegue ver o mesmo que eu ?

Ele ri apenas ,e monta no seu tapete voador e sai em direçao a pedra da Gavéa ...

Eu decido para de pensar nisso.


Nem sempre entender as coisas é o melhor caminho...


Pego minha coleira anti-pulgas e coloco no pescoço do "LOBO" calço meu All Star e vendo o animal para o camêlo que vende tapetes , que acaba vendendo para a madame com a camisa do Obama...

24 de jun de 2011

APRESENTANDO PELA PRIMEIRA VEZ MEU GUIA ...

colecao+mochileiros+(+5+livros+)

Na série de livros de O Guia do Mochileiro das Galáxias, de Douglas Adams, o Gerador de Improbabilidade Infinita é um objeto que proporciona ultrapassar os limites da hipervelocidade, ou seja, pode-se cruzar simultaneamente todos os pontos do Universo em poucos momentos.Seu mecanismo se baseia no fato de quão improvável é um acontecimento, e assim o acontecimento ocorre."O Gerador de Improbabilidade Infinita é um novo e maravilhoso método de cruzar longas distâncias sem ter que passar pela chatice do hiperespaço.

Quando o Gerador de Improbabilidade Infinita alcança improbabilidade infinita, ele passa por todos os pontos do Universo quase que ao mesmo tempo. Resumindo: Você nunca sabe onde vai parar, e nem que espécie vai ser quando chegar.(…)

O Gerador de Improbabilidade Infinita foi descoberto durante pesquisas com o Gerador de Improbabilidade Finita, que era usado para quebrar o gelo em festas, fazendo as moléculas da calcinha da anfitriã se deslocarem 30 centímetros para a direita de acordo com a Teoria da Indeterminação. Os cientistas repudiaram isso, em parte porque era uma avacalhação a ciência, mas principalmente, porque eles não eram convidados para essas festas."

23 de jun de 2011

loucos

CURIOSIDADES DE UM PAÍS DE LOUCOS


- Um diretor sem diretoria no Senado, cujo título é só para justificar o salário, ganha o dobro de um professor universitário federal concursado , com mestrado, doutorado e prestígio internacional...

- Um motorista do Senado, desviado de suas funções e que trabalha há anos como mordomo na casa de uma ex-senadora, ganha mais do que seis a sete vezes o que ganha uma diretora de um colégio público...

- Uma copeira que serve cafezinho em meio expediente, às terças, quartas e quintas feiras (fora os recessos), ganha mais do que uma equipe médica do SUS que leva horas para fazer uma cirurgia cardíaca!
- Um ascensorista da Câmara Federal ganha mais para servir os elevadores da casa, do que um oficial da Força Aérea que pilota um caça de mais de 15 milhões de dólares...

- Um "tirador de cópias xerox" do senado, ganha mais do que o dobro de um professor de Português ou Matemática ou Física ou Ciências em uma escola pública...

- Um motorista do Senado ganha mais para dirigir um automóvel do que um Oficial Superior da Marinha de Guerra para comandar uma fragata de 150 milhões de dólares !

- Um diretor que é responsável pela garagem do Senado ganha mais que um Oficial-General do Exército que comanda um regimento de blindados...

- Um assessor de 3º nível de um deputado, que também tem esse título para justificar seus ganhos, mas que não passa de um "aspone" ou um mero estafeta de correspondências, ganha mais que um cientista-pesquisador da Fundação Instituto Oswaldo Cruz, com muitos anos de formado, que dedica o seu tempo buscando curas e vacinas para salvar vidas...

A minha dúvida continua...
Num quero desanimar ninguém , mas como vamos ter copa em 2014 se o mundo acaba em 2012 ??

Respostas...

Alguém??
Se vc esta fora deste mundinho azul nem venha pra copa , vc pode não achar nada...

22 de jun de 2011

Yahima Torres , Cuba e o racismo!!

Yahima Torres, atriz cubana descoberta na periferia de Paris, é a protagonista do filme ‘Vênus Negra’.


Bela, negra e cheia de força, Yahima Torres foi uma descoberta gloriosa para o diretor Abdellatif Kechiche.

Em entrevista a coletiva, a atriz cubana, que no longa-metragem vive uma mulher africana que é exposta como um 'animal' exótico na Paris do século 19, afirmou que participar desse projeto foi uma experiência muito intensa.

"Era muito importante levar essa história para o cinema. As pessoas precisam saber como era a realidade naquela época", contou Yahima, que ainda relatou o clima no set de filmagens. "Apesar das cenas fortes e de nudez, sempre contei com o apoio do diretor, do elenco e de toda a equipe".

Esse é o primeiro filme da cubana, que foi descoberta na periferia de Paris. Para Vênus Negra, ela começou a fazer aulas de interpretação e teve que aprender africâner (língua da África do Sul). "Havia dias em que estávamos todos muitos cansados. Mas o diretor sempre me dizia: 'Você tem muita energia', e isso me deu força para seguir adiante"

"Espero que o filme tenha a mesma recepção que teve em Cuba. Acabo de voltar de Havana (capital), e lá o longa teve êxito total."

Sem Yahima Torres, Venus Noire seria um filme incompleto. Pelo menos, é essa a impressão ao sair de uma sessão do poderoso longa-metragem de Abdellatif Kechiche sobre a Venus Hotentote, na verdade, Saartjie Baartman, uma mulher sul-africana com características corporais consideradas exóticas pelos europeus que foi exibida como atração de circo no século 19 e teve o corpo exposto em museu francês.
Diretor sabe disso: “Era fundamental ter a atriz certa, inclusive porque ela precisava passar pela experiência sem ficar traumatizada. Depois de conversar com Yahima, soube que ela conseguiria”.

Kechiche estava atravessando a rua no bairro de Belleville, em Paris, quando avistou Yahima, imigrante cubana há sete anos na capital francesa. “Lembro-me que eu estava andando, depois de comprar alguma coisa para minha mãe. Estava falando sozinha, coisa que faço às vezes, rindo. Uma assistente de Abdel veio falar comigo, seria estranho um homem me parar na rua”, diz a atriz em entrevista.

O mais impressionante é que Yahima é estreante. “Nunca trabalhei como artista. Em Cuba, tive aulas de dança, teatro, música, pintura, na escola. O sistema educacional lá desenvolve o lado artístico dos estudantes”, disse. Foi uma estreia em grande estilo, na competição do Festival de Veneza. Foi a primeira vez que Yahima assistiu ao filme. “Foi muito emocionante e estranho me ver na tela".
"Fiquei me lembrando de cada cena, do trabalho intenso necessário para fazer cada uma delas. Eu olhava Saartjie na tela e me via também. Eram muitos sentimentos, porque era a minha primeira vez na tela. Nem podia falar ao final.”

A trama é incrivelmente baseada na história real de uma sul-africana descendente do povo hotentote. O filme começa com uma estátua da personagem e partes anatômicas reais sendo apresentadas numa conferência da Academia Real de Medicina em Paris, em 1817, e descritas como muito parecidas com aquelas de símios.

Com nádegas e seios grandes e a genitália com características especiais, ela tinha saído de seu país com seu patrão na época, Hendrik Caezar (no filme, interpretado por Andre Jacobs), iludida pelo sonho de ser artista, em direção a Londres. Seus shows, no entanto, eram pura exploração de seu visual diferente – na verdade, ela vira atração de circo mesmo.

As apresentações ficam cada vez mais agressivas, principalmente quando, já em Paris, ela fica sob o comando de Réaux (Olivier Gourmet), virando atração também para os cientistas. A protagonista praticamente só encontra gente interesseira e nada preocupada com sua humanidade.

É impressionante a atuação de Yahima Torrès, favorita à Coppa Volpi de melhor atriz, no papel de Saartjie, passando toda a tristeza e passividade da personagem com muita economia de expressões e gestos.

Kechiche filma muito bem e utiliza planos longos, com sequências inteiras dos shows de horrores a que a protagonista é submetida. É muito, muito doloroso de ver – e a intenção é justamente retirar totalmente o espectador de sua zona de conforto.

Mas há momentos em que a pergunta é se seria necessário chegar a tanto. Será que para mostrar o sofrimento e a tortura é preciso exibir todo o sofrimento e toda a tortura?

Será que, apesar de as intenções serem claramente as melhores neste caso, ao expor tão explicitamente a exploração da personagem, não se acaba aprofundando a exploração?

21 de jun de 2011

GSH...DESCANSE EM PAZ MAN...

TO LENDO O LIVRO "ABUTRE" DO GSH...
MUITO BOM MESMO ...
ESPERAR O QUE DE UMA DOS 5 MAIORES NOMES DA MÚSICA DE ALL TIMES???

The Revolution Will Not Be Televised

You will not be able to stay home, brother.
You will not be able to plug in, turn on and cop out.
You will not be able to lose yourself on skag and skip,
Skip out for beer during commercials,
Because the revolution will not be televised.

The revolution will not be televised.
The revolution will not be brought to you by Xerox
In 4 parts without commercial interruptions.
The revolution will not show you pictures of Nixon
blowing a bugle and leading a charge by John
Mitchell, General Abrams and Spiro Agnew to eat
hog maws confiscated from a Harlem sanctuary.
The revolution will not be televised.

The revolution will not be brought to you by the
Schaefer Award Theatre and will not star Natalie
Woods and Steve McQueen or Bullwinkle and Julia.
The revolution will not give your mouth sex appeal.
The revolution will not get rid of the nubs.
The revolution will not make you look five pounds
thinner, because the revolution will not be televised, Brother.

There will be no pictures of you and Willie May
pushing that shopping cart down the block on the dead run,
or trying to slide that color television into a stolen ambulance.
NBC will not be able predict the winner at 8:32
or report from 29 districts.
The revolution will not be televised.

There will be no pictures of pigs shooting down
brothers in the instant replay.
There will be no pictures of pigs shooting down
brothers in the instant replay.
There will be no pictures of Whitney Young being
run out of Harlem on a rail with a brand new process.
There will be no slow motion or still life of Roy
Wilkens strolling through Watts in a Red, Black and
Green liberation jumpsuit that he had been saving
For just the proper occasion.

Green Acres, The Beverly Hillbillies, and Hooterville
Junction will no longer be so damned relevant, and
women will not care if Dick finally gets down with
Jane on Search for Tomorrow because Black people
will be in the street looking for a brighter day.
The revolution will not be televised.

There will be no highlights on the eleven o'clock
news and no pictures of hairy armed women
liberationists and Jackie Onassis blowing her nose.
The theme song will not be written by Jim Webb,
Francis Scott Key, nor sung by Glen Campbell, Tom
Jones, Johnny Cash, Englebert Humperdink, or the Rare Earth.
The revolution will not be televised.

The revolution will not be right back after a message
bbout a white tornado, white lightning, or white people.
You will not have to worry about a dove in your
bedroom, a tiger in your tank, or the giant in your toilet bowl.
The revolution will not go better with Coke.
The revolution will not fight the germs that may cause bad breath.
The revolution will put you in the driver's seat.

The revolution will not be televised, will not be televised,
will not be televised, will not be televised.
The revolution will be no re-run brothers;
The revolution will be live.

19 de jun de 2011

tudo que vc queria saber sobre rap mas tinha medo do mc

O rap, comercializado nos EUA, desenvolveu-se tanto por dentro como por fora da cultura hip hop, e começou com as festas nas ruas,nos anos 1970 por jamaicanos e outros. Eles introduziam as grandes festas populares em grandes galpões,com a prática de ter um MC, que subia no palco junto ao DJ e animava a multidão, gritando e encorajando com as palavras de rimas, até que foi se formando o rap. A origem do Rap veio da Jamaica, mais ou menos na década de 1960 quando surgiram os sistemas de som, que eram colocados nas ruas dos guetos jamaicanos para animar bailes. Esses bailes serviam de fundo para o discurso dos "toasters", autênticos mestres de cerimônia que comentavam, nas suas intervenções, assuntos como a violência das favelas de Kingston e a situação política da Ilha, sem deixar de falar, é claro, de temas mais polêmicos, como sexo e drogas. No início da década de 1970 muitos jovens jamaicanos foram obrigados a emigrar para os Estados Unidos da América, devido a uma crise econômica e social que se abateu sobre a ilha. E um em especial, o DJ jamaicano Kool Herc, introduziu em Nova Iorque a tradição dos sistemas de som e do canto falado e foi se espalhando e popularizando entre as classes mais pobres ate chegar a atingir a alta sociedade

Etimologia
Com a aceitação da música rap nos meios sociais mais recentes (nos últimos vinte anos), a palavra rap se encontra, atualmente, "online" sendo um neologismo popular do acrônimo para rhyme and poetry (rima e poesia); porém, apesar da associação com poesia e ritmo, o significado da palavra rap não é um acrônimo em si, mas descreve uma fala rápida que precede a forma musical (de ritmo e poesia),[1] e significa "bater".[2] A palavra (rap) é usada no Inglês britânico desde o século XVI, e especificamente significando "say" ("dizer", ou "falar", "contar o conto") desde o século XVIII. Fazia parte do Inglês vernáculo afro-americano nos anos de 1960, significando "conversar", e logo depois disto, no seu uso atual, denota o estilo musical.[3]
Como exemplo do significado erudito da palavra, em Inglês, podemos citar um vendedor, em um ambiente comercial, em que este está fazendo a "falação" dele para a venda do produto; você pode dizer que esta "falação" é o "rap" dele. Usado como em "that's his rap" (ou "that is my rap"), significando: "Este é o papo dele" (ou "meu papo"). O Rap, neste exemplo, é a "idéia que alguém quer lhe vender"; a "explicação", em si; o "papo."

Freestyle
Modo de cantar o rap de forma improvisada. Colocando versos feitos na hora, baseados nos versos dos seus adversários. Geralmente os MC's participam de rachas, disputas de free style onde um tenta ser melhor do que o outro.

http://www.ikerelorrieta.com/


18 de jun de 2011

evento lendário!!



dmt slow p,10 dudu fiel u.s fator baixada papo reto e muito mais

17 de jun de 2011

partes fragmentais de letais letras

de corre em corre o rap não morre só fica de porre e pá...

o hip hop socorre , de sonhos forre seu chalé ou spá...

esta pronto pra ser star? ou estar no seu lugar?

alugar um verso e moldar o universo a girar girar...


feito malabares sai dos bares se vem vem pra somar

se o mar não dá pra navegar não vá negar o teu cantar!!!

decantar a semente somente quem mente sente no ar...

que a vida não é sorte nem loto ou jogo de azar...


Tomo tono, soplo plomo, formo foco yo,

Dono coros, por los poros, yo controlo t'o.

Yo compongo, yo propongo, yo te asombro,

yo me impongo, tontos pongo vos.


Y no caigo, yo traigo mas rap del bueno,

yo salgo sin saldo y me oigo cual trueno.

no temo, no quemo, yo sueno los demos,

ponchemos, tomemos, dos menos nos vemos.


llego al juego de nuevo, pruevo y elevo mi ego,

vevo y me quedo sin miedo, luego debo dar fuego.

cuanto llevo de relevo, muevo mis dedos y pego,

mi credo a la sima, cuantas rimas y no me enredo.


unas vienen y van, otras se quedan en mi,

llegan, prueban que pegan, se van dejandote así.

si mereces que regresen entonces volveran a ti,

y ahí es donde te das cuenta que eres un real MC.


Somos todos loucos e não pouco estamos roucos.

Dando tocos e socos nosotros nos rostos rotos não mais garotos

Locos somo tu e yo, Humbertico e Slow los chicos del show

Rocos nos puertos do Flow Fico e sou estico pow tipo Gi Joe

Via myspace, msn, facebook ou badoo.

Cuba is my place elegante tipo Erika Badú

Old School tipo Maia, Asteca ou Xingú.

Mucha Rima pra primas da BF. Pras chinas. Slow Zulú.

Tipo WuTang. Tú tem. Bang Bang. Jeca Tatú.

16 de jun de 2011

Bnegão beat box " O Processo" com MC Slow

Renato Negrão!!!


Caso estivesse vivo, o poeta Renato Negrão estaria completando um século de poesia e lirismo. Como contudo ainda não morreu, ele comemora solitário alguns míseros anos de sobrevivência e intensa atividade poética. Aliás, nunca soube de outro poeta que tenha chegado vivo à comemoração de seu centenário, seja em caso de vida ou de morte.

O indivíduo em questão constitui assim um paradoxo aparentemente insolúvel dentro dos parâmetros pragmáticos da biologia moderna; grande poeta que é e consciente, ele próprio, da importância de seu cadáver no mausoléu da melhor tradição poética em língua portuguesa, sabe que não pode abrir mão disto que alguns vão considerar mera formalidade, vaidade ou capricho, a saber: sua morte incondicional.

Por outro lado, vivo da silva e ainda por cima produzindo como um louco, bradando a cores e ao vivo seus poemas nos ouvidos surdos de seus contemporâneos, o dito cujo sequer pode ser considerado poeta, muito menos um bom poeta.

O fato de estar vivo, e o que é ainda pior, em atividade, impossibilita portanto qualquer tentativa de distanciamento crítico, exclui quase que por completo a viabilidade de uma tese acadêmica e enfim, invalida qualquer investimento no sentido de uma avaliação mais objetiva de sua vida e obra.


Fica o vivente dessa forma, por justa causa, ausente de toda e qualquer antologia de poesia dentro do panorama literário atual, devendo contentar-se com uma ou outra nota, ainda que depreciativa, no segundo caderno de algum jornal local de circulação diária.

Já morto, o inconveniente seria continuar escrevendo poemas a esmo. Desnortearia por completo a crítica. Ora, um poeta no final das contas não precisa ter deixado uma obra volumosa para que seja considerada grande. Veja-se por exemplo o caso de um Isidore Ducasse ou de um Georg Trakl.

Também não precisa ter sido reconhecido por seus contemporâneos e pode até mesmo ter sido ignorado por várias gerações consecutivas, como um Sousândrade, um Yi Sáng. Pode inclusive ter morrido praticamente inédito, como umKilkerry, um Fernando Pessoa da vida, mas sobretudo, tem de estar morto. A obra tampouco necessita estar acabada, nem carece coerência interna, unidade temática, e pode também apresentar altos e baixos, seja lá o que esses critérios de avaliação representem nas mais diversas épocas e contextos.

Agora, algo realmente inaceitável é o abandono radical da atividade poética em vida. Mesmo Rimbaud, retirando-se estrategicamente para a Abssínia num momento fulcral de suas atividades poéticas, não escapou ao distanciamento crítico de seus contemporâneos, à exceção de Verlaine é claro, e o fato tornou-se somente um dado curioso de sua biografia póstuma. Portanto, o abandono puro e simples de uma carreira literária não garante reconhecimento imediato e muito menos apaga a existência literária de um poeta.

Ora, se suas atividades pudessem ser consideradas estanques, definitivamente concluídas, poderia se pensar em algum tipo de reconhecimento mórbido em vida. Mas, pelo simples fato do cidadão, sem qualquer cerimônia, num dia qualquer, sem mais nem menos cometer inadvertidamente um poema tudo estaria perdido.

A mera possibilidade de que isso aconteça provoca uma violenta reação involuntária no mundo literário. Só de pensar que alguém pode, com um simples poema, por a perder todo um arsenal argumentativo consolidado, toda uma empresa corroborada em congressos e comunicações públicas, todos os homens de letra tremem e babam. Por isso, uma tal atitude de tamanha irresponsabilidade e total falta de consideração para com o trabalho de pessoas sérias é severamente repudiado por todos os homens de bom senso.

Nesses casos nem adianta um juramento de pés juntos lavrado em cartório, com o poeta dando sua palavra de que nunca mais cometeria um verso sequer, pois sabe-se que esse tipo de gente não merece a menor confiança. Há casos documentados. Pois bem, retornamos ao ponto inicial; estando Renato Negrão tão morto quanto vivo, conceder-se-ia ao poeta a condição limite de um mortovivo. Diante de tal contra-censo, resta ao leitor por fim, pela saúde de nossas letras, dar seu parecer definitivo: deve-se matar o poeta que ainda vive ou ressuscitar o poeta morto? Cartas à redação.

Escrevi esse texto há algum tempo para a orelha do livro inédito ,ou melhor, de Renato Negrão. Quando estávamos preparando o dossiê para a Revista de Autofagia me lembrei dele e sugeri sua publicação como introdução à entrevista.

Makely Ka · Belo Horizonte, MG

15 de jun de 2011

POESIA

Sempre acreditando em mim...
Podemos..Fazemos...Somos...
Resistencia cultural baixadesca total...

Atacando quem nos denigre, com a força brutal de um tigre

Transformo a china em cidade-fantasma, e é melhor q vc já emigre

E já espere q o terreno vibre, equilibre e não drible o calibre

Alastrando no seu organismo o frio como chá de gengibre.

funk se!!!


Documentário realizado pelo Coletivo Anti Cinema que entreviata personalidades do FUNK nos anos 80 ! Nos bailes de rua do bairro de Belford Roxo

14 de jun de 2011

filme bom demais

Assisti ao filme valente e fiquei louco...Muito bom mesmo!
O bom elenco é um ponto forte!

Jodie Foster (perfeita! )
Terrence Howard (emocionante atuação)
Naveen Andrews (rápido mais bom)
Nicky Katt (muito bom mesmo!)
Zoe Kravitz (Chloe) Essa tirou onda!

U m pouco do filme: Erica, uma popular apresentadora de rádio de New York, viu seu noivo morrer e, ela mesma, também quase virou vítima fatal de um inesperado e selvagem ataque. Agora ela descobre dentro de si uma pessoa que lhe é totalmente desconhecida, alguém que vaga pela cidade à noite, armada e em busca de vingança, em conflito consigo mesma.Jodie foster, vencedora de dois Oscar, é Erica, e Terence Howard (ator ja indicado ao Oscar por Ritmo de um Sonho) é o policial determinado que a persegue.

13 de jun de 2011

documentário de repente - poetas de rua!!

MC Slow Da BF - Batalha do Real - Trecho do Documentário "De Repente - Poetas de Rua".






DE ONDE EU VIM

215107344 Download Luiz Gonzaga   Sempre (2009)MÚSICAS:

1 – Asa branca
2 – Respeita Januário
3 – Sabiá
4 – Baião
5 – O xote das meninas
6 – Juazeiro
7 – Paraíba
8 – Assum preto
9 – Qui nem giló
10 – A vida do viajante
11 – Vem morena
12 – ABC do sertão
13 – Riacho do navio
14 – Cintura fina


MINHAS RAÍZESESTÃO AQUI

MINHA FAMILIA POR PARTE DE MÃE É TODA NORDESTINA!

12 de jun de 2011

dia dos namorados!!!!!!!

Minha coleção de filmes começou oficialmente hoje com os 2 filmes que minha linda Psiqué me deu nesse dia dos namorados...
Táxi driver e Cães de aluguel...

Espero sempre ter presentes tão belos assim!


Taxi Driver é um dos meus filmes preferidos, talvez por este aqui sentir um certo apego pelas sargetas humanas, Von Trier é o diretor de um outro filme que tambem esta na minha lista suja (O Anticristo), é esperar para ver o que fará o impiedoso diretor com o alucinado taxista.



O primeiro filme que ganhei para inaugurar minha coleção coluna foi Cães de Aluguel. Dirigido por Quentin Tarantino, o filme de 1992 conta a história de seis criminosos que planejam um grande roubo. Porém, nem tudo sai como era esperado e a partir disso cada um dos bandidos começa a suspeitar que o outro seja um traidor.


Essa é para ela:

Eu e Você
E nada mais,
Nem mais um sinal
Nem mais perguntas.
Eu e Você
Basta para se sentir feliz.
O mundo inteiro
Poderia parar e aplaudir Eu e Você,
Pois dançamos muito bem,
Não erramos nem um passo
Que a vida nos ensinou,
E que o amor aprovou.
Nada mais importa,
Basta Eu e Você
Para se escrever uma história,
Para saber o porquê
De tanta alegria.
Eu e você
E tudo fica perfeito
Tudo fica completo.
As notas da canção ficam
Fácieis para se aprender,
Para se tocar em um instrumento
Chamado coração.
Tudo é lindo e maravilhoso
Quando se diz:
Eu e Você!!!

11 de jun de 2011

Embargo...produção e revolução!!

Coisas que me fazem acreditar mais nas pessoas ...

Rappers cubanos desafiando os irmãos Castro, mas para quê?

Jovens cubanos estão desafiando a autoridade através da música rap rebelde, após o hip-hop americano deixar de ser mostrado como altamente político, nos primeiros anos em Nova York.

A maioria é de afro-cubanos os que estão envolvidos na cena do rap de Cuba mas será que todos são vocalmente descontentes com o regime de Fidel Castro?

Os declaradamente "contra" e que deixam o governo nervoso.

Anos atrás O Ministério da Cultura de Cuba, criou o "Agência Cubana de rap" ostensivamente queria trazer mcs rebeldes no controle.


Susana García Amaros, uma das muitas chefe da agência, celebra a arte:

"Rap é uma forma de batalha ... 
É uma forma de protesto para uma parte da população. 
Ele tem a força. Não é apenas a batida - o boom, boom, boom - é a letra"

Mas a Agência só presta apoio aos MCs que não falam mal do governo.
No começo, apenas nove dos cerca de quinhentos rappers cubanos ou grupos de rap fazem parte da Agência.
O apoio do Governo a um festival anual de hip-hop foi cancelada em 2006.

Isso não significa que os mcs fora do esquema governamental não estejam fazendo uma revolución popular.

A tendência mais quente da música cubana é o reggaeton, uma fusão de reggae, rap e música latina, que é muito mais sobre sexo do que sobre política.

Os cubanos podem ficar descontentes com os Castros, mas a maioria deles só quer ter um bom tempo de diversão??

O hip hop é uma mercadoria dos EUA que surgiu após o embargo comercial a Cuba.
Cuba tem desenvolvido um movimento rap homegrown, inspirado pelos sons e modas dos EUA e com muita coisa terrena.

Mas o que faz os rappers cubanos diferentes é que ao invés de celebrar bling bling, meninas e armas, suas letras falam de questões sociais em um país onde a liberdade de expressão é rigidamente controlada.

O rap cubano começou a surgir na década de 1990, e sempre foi um evento popular, com músicas gravadas em quartos de fundos e studios bem precários os próprios rappers distribuíam suas músicas e mixtapes em fitas cassete.

1 destaque na cena da ilha foi dado em 1999, quando o RAP foi aprovado pelo governo como "uma autêntica expressão da cultura cubana."

Nos anos seguintes, o governo criou a Cuban Rap Agency (CRA) para promover a cena, assim como uma gravadora Asere Productions e uma revista de rap chamado "Movimiento".

A aprovação do Governo ajudou o hip hop cubano emergir do subsolo, mas alguns vêem que a aprovação como uma gaiola dourada.

Formada em 1996, o duo de rap "Doble Filo" ("dois gumes") têm sido parte da cena de Havana desde o início e trabalhou com a Agência.

Mas o rapper Irak Saenz reconhece que existem contradições em fazer parte do sistema.

"Isso não limita a nossa liberdade criativa", disse ele à CNN.

"O CRA tem uma agenda que anda com a agenda do governo. Ele não me limita, mas não me força a ser criativo na maneira como eu expresso minhas idéias."

Junto com colegas de rap cubano "Los Aldeanos" ("os moradores") "Doble Filo" trabalhou com um selo de rap estadunidense, Emetrece Productions.

Mas o "Los Aldeanos", que se formou em 2003, fazem parte de uma nova geração de rappers cubanos. Eles não pertencem ao CRA, e nem querem. Eles são desafiadoramente duros e francos.

"O hip hop é uma forma de arte e de como se pode falar a verdade sobre como as pessoas estão vivendo", diz Aldo Rodriguez, um Aldeano.

A música "Niñito Cubano" é sobre um garoto crescendo durante a Cuba em "período especial", quando a queda da União Soviética trouxe dificuldades para a ilha.



Suas letras francas sobre a vida em Cuba não os fazem "amigos" entre as autoridades de Cuba, e isso limita suas oportunidades na ilha.

"Nossas letras não vão sempre com o discurso padrão de Cuba" diz Rodriguez.

"Eu posso ser famoso em outros países, mas aqui eles não vão me deixar fazer um show em um teatro."

Saenz Doble Filo tem realizado os EUA com seus colegas cubanos "Obsesion", uma turnê que incluiu rodar como estrelas mundiais do rap como Kanye West e The Roots.

Ele diz que, quando a sua geração de rappers foi forçada a limitar a forma como ela fala sobre as realidades da vida cotidiana, a nova geração foi mais ousada, com suas letras.

Bian Rodriguez, também conhecido como El B, o outro membro do "Los Aldeanos", diz que o hip hop dá voz às preocupações dos cubanos.

"As pessoas me dizem que precisam desta música, não só porque eles podem se identificar com o que estamos dizendo, mas porque sentem que talvez possamos dizer coisas que eles podem ter medo de dizer publicamente", disse à CNN.

Como a maioria dos outros grupos de rap cubano "Los Aldeanos" ainda não estão em posição de ganhar a vida com sua música. El B ganhou um campeonato de frestyle da red bull, mas ele ainda tem um dia de trabalho como professor de escola primária.

Na falta de recursos e equipamentos, os produtores da ilha tem que usar uma certa dose de ingenuidade quando se trata de gravação de suas músicas.

O produtor Doble Filo, Edgaro explica que nos primeiros dias do grupo, ele fazia faixas de looping dos últimos compassos das músicas em fitas cassete.

Estes dias, Edgaro produz músicas no seu PC, mas o software é pirata, dessas cópias trazidas para o país e difundidos nas ruas. Ele simplesmente não está disponível nas lojas.

Como a cena se desenvolve os grupos estão cada vez mais ambiciosos.

Doble Filo estão agora incorporando músicos ao vivo em seu som e usando mais tecelagem dos elementos da música tradicional cubana, e eles vão lançar o seu álbum de estréia, "Despierta" ("Wake up"), através Emetrece Productions.



Emetrece é dirigida por Melisa Rivière, Ph.D.no Departamento de Antropologia da Universidade de Minnesota.

Mais do que apenas promover a boa música, ela diz que o Emetrece está tentando educar e desafiar o embargo dos EUA a Cuba.

Como os rappers de Cuba, ela vê o hip hop como instrumento de mudança social.

À medida que El B coloca, "Eu acho que uma das coisas que as pessoas fazem a partir da música é exterminar a ideia de que não podemos fazer nada, não podemos mudar nada, e começar a pensarque podemos ser qualquer coisa que nós queremos."